Cenário aponta necessidade de recompor reservas de resseguradoras

sem-titulo

Estudo global da JLT Resseguros mostra resseguradoras consumindo rapidamente suas reservas e aponta necessidade de recompor capital

A JLT Resseguros divulgou mais uma edição do JLT Re Viewpoint. Dessa vez, o relatório avalia a atual estrutura de capital das maiores resseguradoras do mundo. Mostra que depois de uma fase bastante confortável, que permitiu que as companhias enfrentassem com tranquilidade as últimas crises financeiras mundiais, o setor pode estar entrando em uma fase mais crítica, com os maiores players globais consumindo rapidamente suas reservas.

“O mercado é bem regulado e o risco de insolvência é pequeno, mas terá que haver uma recomposição das reservas”, avalia o vice-presidente da JLT Brasil Resseguros, Pedro Farme.

De acordo com o executive, o estudos mostra que o mercado está entrando em um momento de inflexão. Após um ciclo de aumento de reservas que durou do final dos anos 90 até o começo dos anos 2000, as perdas começaram a consumir parte das reservas. Ele garante, porém, que não há risco de insolvência.

Uma análise sobre as baixas de capital (impairment) das companhias entre 1969 e 2014 mostra que a maior parte (45%) foi motivada por precificação inadequada, seguida por momentos de rápido crescimento, que responderam por 12% das operações. As perdas por catástrofes e as transformações no ambiente de Negócios responderam por 7% e 4% dos impairment, respectivamente.

“Esse momento de acumulação de reservas pode ocorrer tanto pela pressão para elevação de preço quanto pela redução de distribuição de resultado. De qualquer forma, é hora dos cedentes buscarem uma proteção adicional”, complete Farme.

O estudo completo está disponível no endereço: https://www.jlt.com/media-centre/news-and-press-releases/2015/september/jlt-re–viewpoint